Mineral Zinco
Compartilhar

Mineral Zinco

O zinco é um mineral essencial na síntese de proteínas, no controle da capacidade de contração dos músculos, na formação da insulina, além de exercer um efeito regulador sobre a próstata e ser importante no desenvolvimento dos órgãos reprodutores.1,2 Possui também ação antioxidante.3

As principais fontes naturais de zinco são carne, fígado, frutos do mar (especialmente ostras), germe de trigo, levedo de cerveja, sementes de abóbora, ovos, leite desnatado, mostarda em pó.1

A maior parte do zinco presente nos alimentos perde-se durante seu preparo e nem mesmo existe em quantidade suficiente, se foram cultivados em solo pobre em nutrientes.1

O zinco acelera a cicatrização de ferimentos, elimina as manchas brancas das unhas, ajuda a recuperar o paladar a reduzir os depósitos de colesterol.1 Outras propriedades do zinco incluem melhora do comportamento e aprendizado, sabor e cheiro, coagulação do sangue, funcionamento dos hormônios da tireoide e ação da insulina.2

Fisiologicamente, zinco é vital para o crescimento e desenvolvimento, maturação e reprodução sexual, adaptação a visão noturna, estocagem e liberação de insulina.4

Muitos estudos têm demonstrado que a concentração de zinco no plasma, nos eritrócitos e no soro de indivíduos obesos estão diminuídas, e que a suplementação com este mineral reduz a resistência à insulina. Existe também uma interrelação do mineral com a concentração de leptina, hormônio relacionado à saciedade. Em indivíduos com níveis inadequados de zinco, a concentração de leptina é reduzida.5

Na carência de zinco, pode haver diminuição da memória e da concentração, assim como convulsões. A deficiência de zinco também está relacionada com uma maior prevalência do diabetes e de doenças cardiovasculares e a uma maior susceptibilidade à infecções.3

Referências

  1. MINDELL, E. Vitaminas – Guia Prático das Propriedades e aplicações. Melhoramentos, 1996, p. 105-107.
  2. MASON, P. Dietary Supplements. 3ª edição. Pharmaceutical Press, 2007, p. 359-365.
  3. PASCHOAL, V., MARQUES, N., SANT’ANNA, V. Nutrição Clínica Funcional: Suplementação Nutricional. 1ª edição, São Paulo: VP Editora, 2013, p. 94-107.
  4. PDR® for Nutritional Supplements TM. 1rs ed. Medical Economics, 2001, p. 416-422.
  5. LEÃO, A. L., DOS SANTOS, L. C. [Micronutrient consumption and overweight: is there a relationship?]. Rev Bras Epidemiol., v. 15, n. 1, p. 85-95, 2012.