Vitamina B2 - Riboflavina
Compartilhar

Vitamina B2 - Riboflavina

A Riboflavina é uma vitamina hidrossolúvel do complexo B, também conhecida como vitamina B2.1 Essa vitamina é facilmente absorvida e a quantidade eliminada depende da necessidade de cada organismo e pode ser acompanhada da perda de proteína. Assim como as outras vitaminas do complexo B, não é armazenada e precisa ser reposta regularmente pela ingestão de alimentos integrais ou suplementos alimentares.2

Como as demais vitaminas, o complexo B no organismo desempenha papel como coenzima em uma diversidade de reações bioquímicas, atuando como intermediária na transferência de elétrons nas reações de óxido-redução.1

A vitamina B2 é importante em muitos processos celulares implicados no metabolismo de aminoácidos e na produção de energia, sendo por isso muito importante no desempenho físico e bem-estar.3,4 Ela apresenta papel importante em diversos processos metabólicos, estando envolvida na transformação dos lipídios, proteínas e carboidratos.5

A vitamina B2 auxilia no crescimento e reprodução, na saúde da pele, unhas e cabelos, cicatrização de feridas na boca, lábios e língua, além de beneficiar a visão e aliviar a fadiga ocular. Funciona com outras substâncias para metabolizar os carboidratos, as gorduras e as proteínas.2

A vitamina B2 é naturalmente encontrada em extratos de leveduras, farelo de trigo e alimentos de origem animal como carnes, leite, fígado, queijo, peixe e ovos. Também está presente em menor quantidade em algumas frutas, folhas verdes e legumes.2,6

Devido a sua grande ocorrência em alimentos de origem animal, muitos vegetarianos e veganos apresentam ingestão baixa de riboflavina, necessitando fazer reposição desta vitamina através de suplementos alimentares.6

A deficiência desta vitamina pode ocorrer devido à ingestão de dietas hipocalóricas, baixo consumo de alimentos de origem animal, má absorção por problemas gástricos e intestinais, diarreia, infecções, entre outras causas, e pode levar ao aparecimento de fissuras nos cantos da boca, feridas, queimação de lábios, boca e língua, dor de garganta, cansaço e anemias. Também pode causar irritação dos olhos, como vermelhidão, coceira e sensibilidade à luz.4

Referências

  1. HIGDON, J. An Evidence-Based Approach to Vitamins and Minerals. Thieme, New York, 2003, p. 27-32.
  2. MINDELL, E. Vitaminas – Guia Prático das Propriedades e aplicações. Melhoramentos, 1996, p.44-46.
  3. Merck Sharp & Dohme. Manual Merck de Informação Médica. 1ª edição, Barueri: Manole, 2002 – p. 713, 720.
  4. PASCHOAL, V., MARQUES, N., SANT’ANNA, V. Nutrição Clínica Funcional: Suplementação Nutricional. 1ª edição, São Paulo: VP Editora, 2013, p. 213-223.
  5. FRANCO, G. Tabela de Composição Química dos Alimentos. 9ª edição, Atheneu, 1999, p. 32-35.
  6. PENTEADO, M. V. C. Vitaminas: Aspectos nutricionais, bioquímicos, clínicos e analíticos. Barueri, SP : Manole, 2003, p. 227-276.