Vitamina E
Compartilhar

Vitamina E

A vitamina E é lipossolúvel e é armazenada no fígado, nos tecidos adiposos, coração, músculos, testículos, útero, sangue, glândulas suprarrenais e glândula pituitária.1 Por ser uma vitamina lipossolúvel, se administrada juntamente com uma fonte de lipídios, tem sua absorção aumentada. Assim, a administração na forma oleosa é mais absorvida pelo organismo.2

Antigamente era medida em peso, mas agora geralmente é designada de acordo com suas atividades biológicas em Unidades Internacionais (UI). Em relação a esta vitamina, 1UI é igual a 1mg.1

É um potente antioxidante ativo, que previne a oxidação de componentes como a Vitamina A, o selênio e a vitamina C. A Vitamina E aumenta a atividade da vitamina A1 e protege o organismo contra a poluição ambiental e toxinas.3 É interessante a associação da vitamina E na suplementação de ácidos graxos poli-insaturados, como o ômega 3, para evitar a sua oxidação.2

As principais fontes naturais de vitamina E são gérmen de trigo, óleos vegetais, nozes, couve-de-bruxelas, verduras, espinafre, trigo e cereais integrais e ovos.1

A vitamina E faz com que a pessoa conserve uma aparência mais jovem por retardar o envelhecimento das células pela oxidação. Supre o oxigênio do organismo, proporcionando maior resistência, alivia o cansaço, evita a formação de cicatrizes, proporciona alívio de câimbras e distensões musculares nas pernas.1

Alguns estudos têm demonstrado que a Vitamina E reduz o dano oxidativo no exercício, melhora a função pulmonar e melhora a função imunológica nos idosos.4

Existem algumas evidências de que a vitamina E (em conjunto com a vitamina C) pode melhorar a tolerância aos raios UV e por isto, reduz o risco de queimaduras solares.4

Referências

  1. MINDELL, E. Vitaminas – Guia Prático das Propriedades e aplicações. Melhoramentos, 1996, p. 64-67.
  2. PASCHOAL, V., MARQUES, N., SANT’ANNA, V. Nutrição Clínica Funcional: Suplementação Nutricional. 1ª edição, São Paulo: VP Editora, 2013, p. 340-360.
  3. Quick Access – Professional Guide to Conditions, Herbs & Supplements. Newton: Integrative Medicine Communications, 2000, p. 416-417.
  4. MASON, P. Dietary Supplements. 3ª edição. Pharmaceutical Press, 2007, p. 346-354.